Um provérbio representa ou tenta explicar um conceito moral e tem por objetivo aconselhar mas acontece frequentemente existirem provérbios que se contradizem ou apresentam conceitos opostos como é o caso de mais vale um pássaro na mão que dois a voar e quem não arrisca, não petisca.

O primeiro recomenda a precaução, sugere que se jogue pelo seguro, advoga que é bastante melhor contar com o que já se tem do que confiar no que se poderá vir a ter, ainda que seja a dobrar. O segundo afirma precisamente o contrário, isto é que a sorte bafeja ou favorece aqueles que, em vez de jogar pelo seguro, arriscam.

Apesar de petiscar não sugerir uma refeição farta, subentende-se que um petisco é uma comida especial ainda que pequena e que não serve para responder às necessidades alimentares básicas mas antes ao prazer de comer. A frase quem não arrisca, não petisca sugere que para se aceder a algo especial, aprazível e inesperado é, por vezes, necessário correr riscos. Seguem-se alguns exemplos de uso:

— Achas que posso pedir um aumento de salário ao chefe?
— Considerando que quem não arrisca, não petisca acho que sim, pois a sorte favorece os destemidos. Além disso, perguntar não ofende.
 

— Esta semana há jackpot no euromilhões, tenho que jogar.
— Para quê? Nunca ganhaste nada!!!!
Quem não arrisca, não petisca.
 

— Eu sei que esta empresa não está a contratar, mas como este é o meu emprego de sonho, vou enviar um CV pode ser que tenha sorte e me contratem.
— Fazes bem! Quem não arrisca, não petisca.

A constatação que a sorte favorece os destemidos aparece no poema épico latino A Eneida da autoria de Vergílio. Esse conceito é também expresso na frase o mundo é dos audazes. Vejamos alguns exemplos de uso: 

— Gostava de mudar de emprego mas não tenho tempo para procurar um novo desafio…
— Aconselho-te a não te despedires do teu emprego enquanto não encontrares um novo pois mais vale um pássaro na mão do que dois a voar.
 

— Eu sei que esta empresa não está a contratar mas como este é o meu emprego de sonho, vou enviar um CV, pode ser que tenha sorte e me contratem.
— Tens a certeza que essa é uma decisão acertada? O teu emprego é ótimo. Tens imensas regalias e um excelente salário e queres trocar isso por uma start-up que até pode dar para o torto? Antes de tomares uma decisão, lembra-te que mais vale um pássaro na mão do que dois a voar.
 

— Achas que posso pedir um aumento de salário ao chefe?
— Considerando que este ano a empresa não teve lucros, acho que estás a arriscar demasiado. O patrão pode não gostar e ficar com má impressão tua.
— Tens razão. Mais vale um pássaro na mão do que dois a voar.
— E é sempre melhor prevenir que remediar.

Neste último exemplo mais vale um pássaro na mão do que dois a voar parece ser sinónimo de mais vale prevenir que remediar.

De certa maneira podemos dizer que os dois aforismos dão conselhos bastante semelhantes. O primeiro adverte contra os riscos da ambição e sugere que é sempre melhor jogar pelo seguro e conservar ou proteger o que já se tem em vez de lutar por algo incerto ou que pode nunca vir a acontecer ou materializar-se. O segundo reforça a ideia da segurança sugerindo que é muito mais sensato prevenir ou evitar que uma desgraça aconteça do que tentar lidar com as suas consequências.

OUTRAS EXPRESSÕES MENCIONADAS
quem não arrisca não petisca
jogar pelo seguro
a sorte favorece os destemidos
é melhor prevenir que remediar


o mundo é dos audazes

 

EXPRESSÕES SEMELHANTES EM OUTRAS LÍNGUAS
a bird in the hand is worth two in the bush

s vale pájaro en mano que un ciento volando
E meglio un ucello in gabbia che cento fuori

双鸟在林,不如一鸟在手

the fortune favours the bold