Não sei porque é que os portugueses dizem que algo muito caro custa os olhos da cara

Há quem acredite que a expressão tem origem no mito grego do poeta Tâmires que as Musas, filhas de Zeus, cegaram porque ele se vangloriou de ser melhor poeta que elas. A presunção deste poeta custou-lhe — literalmente — os olhos.

A visão é considerada como um bem tão precioso que não espanta portanto que se associe a algo muito caro ou valioso. 

Essa expressão tem vários sinónimos como por exemplo custar couro e cabelo ou custar os dentes da boca.

Realmente, perder a visão, ficar sem dentes ou cortarem-nos o escalpe isto é ficarmos sem o couro cabeludo pode ser considerado como uma perda enorme e portanto faz todo o sentido que se compare a algo que custa muito dinheiro ou é muito caro ou valioso.

A expressão oposta é ser ou custar uma pechincha que significa uma grande vantagem ou lucro surpreendente, um achado ou algo muitíssimo barato. Passemos aos exemplos de uso:

O meu anel de noivado custou os olhos da cara.

Uma pós-graduação nos Estados Unidos custa os olhos da cara.

Esta primeira edição d’Os Lusíadas foi uma verdadeira pechincha.

Graças às companhias aéreas de baixo-custo, algumas viagens entre as principais cidades europeias são uma verdadeira pechincha.

OUTRAS EXPRESSÕES MENCIONADAS
custar couro e cabelo

custar os dentes da boca
custar / ser uma pechincha

Faça Login para descarregar os ficheiros.