— A internet é uma boa fonte de recursos para aprender línguas estrangeiras, mas por vezes também serve para nos confundir...
— É verdade. A internet tem de tudo um pouco... Do muito bom ao muito mau e, consequentemente é muito importante saber pesquisar e, sobretudo, saber separar o trigo do joio...
Separar o trigo do joio quer dizer selecionar o bom do mau ou separar aquilo de que precisamos daquilo que não queremos — aprendi no episódio 83. E posso até acrescentar: quando fazemos uma pesquisa online, nem tudo o que vem à rede é peixe.
— Excelente exemplo de uso dessa expressão. E boa advertência ou conselho no que toca o uso da internet. Tal como acontece quando vamos a um dicionário procurar o significado de uma palavra não podemos contentarmo-nos com a primeira definição dada. Quando fazemos uma pesquisa online não devemos olhar só para os primeiros itens da lista. É preciso ser mais cuidadoso e criterioso.
— É verdade que na internet, nem sempre aparece o que queremos, mas num dicionário, a primeira definição é sempre a mais comum e, consequentemente, aquela que nós precisamos.
— Tens razão, mas pode não ser esse uso que tu estás à procura pois é o contexto em que vais usar a palavra que determina o seu significado. Deixa-me dar-te um exemplo:
Hoje o tempo está desfavorável para a prática de exercício físico. — é uma frase lexical e gramaticalmente correta mas um falante nativo diria muito mais frequentemente: Hoje o tempo está desagradável para a prática de exercício físico. — vá-se lá saber porquê...
Mas estamo-nos a afastar do que nos traz aqui: as expressões e idiomatismos do português... Qual é exatamente a tua dúvida?
— Encontrei a expressão: quem vai à guerra, dá e leva e quando fui procurar o seu significado na internet encontrei a explicação dada pelo Ciberdúvidas, mas também outro portal que listava a expressão de uma maneira completamente diferente: quem vai à guerra, ou dá ou leva. E agora não sei qual é a correta.
— Penso que a primeira é a mais certa até porque parece mais verosímil, não achas?
— Verosímil quer dizer o mesmo que provável ou plausível?
— Isso mesmo: quer dizer que está próxima da realidade ou que mais se assemelha à verdade.
— Como é que a palavra se escreve com um ésse ou dois?
— Esta palavra tem duas grafias possíveis: com um ésse em Portugal e dois no outro lado do Atlântico.
— Então, o que estás a dizer é que quem vai à guerra, dá e leva é mais próximo da verdade do que quem vai à guerra, ou dá ou leva.
— Quando alguém entra num conflito é muito raro que saia só vencedor ou vencido. Não te parece mais provável ou plausível que ganhe umas batalhas e perca outras? Este provérbio descreve a inevitabilidade de algumas coisas, como por exemplo sair, ao mesmo tempo, vencedor e vencido de uma batalha ou de qualquer outra situação e, portanto, parece-me mais correto dizer dá e leva em vez de ou dá ou leva.
— Concordo contigo. Então, este provérbio quer dizer o mesmo que quem anda à chuva, molha-se (episódio 92)?
— Eu diria que há uma pequena nuance entre os dois.
— E essa ligeira diferença é...?
— Quem anda à chuva sublinha a necessidade de estarmos conscientes das consequências das nossas decisões ou atos. Quem vai à guerra pretende alertar para a existência de dois lados ou duas consequências pois nada é só, e exclusivamente, um mar de rosas. Vamos ver os seguintes exemplos:


Quando anunciou uma guerra comercial, o presidente Trump devia estar preparado para o impacto desta, pois quem vai à guerra, dá e leva, e sendo assim, a Comissão Europeia também já fez saber que irá retaliar.

_________________________

— Acho que vou deixar de escrever o meu blogue. No último tive uma série de comentários extremamente negativos.
— Tu gostas de escrever sobre temas controverso e depois esperas que te elogiem... Já devias saber que com a quantidade de trols que há na internet tens obrigatoriamente de estar preparado para todo o tipo de reação, incluindo as mais negativas. Quem vai à guerra dá e leva.