Agora que todos os episódios do nosso podcast voltaram a estar online podemos revisitá-los. Esta semana vamos explicar a máxima popular ficar com uma mão atrás e outras à frente e lembramo-nos que já por várias vezes explicámos idiomatismos ou adágios que utilizam a palavra mão. Como ficar com o coração nas mãos que descreve a nossa aflição ou preocupação com alguém ou alguma coisa (episódio 35), meter os pés pelas mãos que funciona como uma crítica a alguém parece estar confuso ou desorientado (episódios 53 e 76), largar ou abrir mão de alguma coisa que significa abdicar ou desistir de algo (episódio 81), e ainda o provérbio que nos encoraja a valorizar o que temos ainda que essa possessão seja de pouco ou nenhum valor, em vez de sonhar por algo que podemos nunca alcançar: mais vale um pássaro não mão, [do] que dois a voar (episódio 42).

A expressão idiomática deste episódio ficar com uma mão atrás e outra à frente evoca uma imagem muito literal de alguém que perdeu tudo, incluindo a roupa que tinha no corpo, e coloca uma mão atrás numa tentativa de tapar a zona do rabo ou, como se ouve mais frequentemente no Brasil, o traseiro, e outra à frente para esconder os seus órgãos genitais. Ficar com uma mão atrás e outras à frente quer dizer ficar desprovido de tudo o que se tinha, na miséria, na penúria, sem recursos económicos, por outras palavra mais simples: ficar sem dinheiro nenhum, na pobreza, portanto. Alguns exemplos de uso seriam:

Afinal quantas pessoas vão para a política com uma mão à frente e outra atrás e acabam multimilionários?

A minha casa ardeu num incêndio e como eu não tinha seguro perdi tudo — fiquei com uma mão atrás e outra à frente.

Os refugiados chegam com uma mão atrás e outra à frente e muitos deles nem sequer documentos têm.

Antes de ganhar o euromilhões, ele andava sempre na mó de baixo, sempre com uma mão à frente e outra atrás.

Quando perdeu o emprego ela ficou com uma mão atrás e outra à frente, mas recusou-se a estender a mão.

Ele perder tudo ao jogo, incluindo a sua própria casa. Depois de ficar com uma mão à frente e outra atrás sobrevivia estendendo a mão.

Nos dois últimos exemplos usámos um segundo idiomatismo estender a mão que também tem um sentido muito literal. Quando cumprimentamos alguém com um aperto de mão ou um passou-bem, estendemos a mão ou melhor dizendo colocamos a nossa mão à frente do corpo para que a outra pessoa possa mais facilmente pegar na nossa mão e responder ao nosso cumprimento. Da mesma maneira quando pedirmos algo, também estendemos a mão das desta vez com a palma virada para cima de forma a que a outra pessoa possa depositar algo dentro da nossa mão. Assim estender a mão quer dizer o mesmo que pedir como no seguinte exemplo:

Portugal tornou-se um país de mão estendida para a Europa, à espera que os fundos europeus resolvam todos os nossos problemas.

Nos primeiros exemplos que demos fizemos referência a outra expressão: estar ou andar na mó de baixo. Alguém quer propor uma explicação para o seu significado? Enviem-nos uma mensagem!