Junho é o mês dos Santos Populares com festas e arraiais por todo o país nas noites de Santo António, de São João e de São Pedro.

Arraial é uma festa organizada na rua, geralmente pelos seus moradores, onde se pode comer, beber e dançar ao som da música. Nos bairros mais típicos e antigos das cidades, as ruas são decoradas com flores e lanternas feitas em papel colorido para criar um ambiente alegre e divertido. Montam-se barraquinhas com grandes grelhadores a carvão onde se irão assar sardinhas e febras — a comida tradicional destas festas e vender bebidas, sobretudo vinho. No final da tarde, quando o dia começa a arrefecer, os moradores saem para a rua para passar o fim de tarde e o serão a comer, beber e dançar ao som da música popular. Nas esplanadas improvisadas, geralmente com mesas e bancos corridos ou longos, janta-se sardinhas assadas na grelha de carvão e servidas numa fatia de pão grosso mas também caldo verde, pão com chouriço e febras e muito vinho branco ou tinto de acordo com a preferência do cliente.

Antigamente, nas sociedades agrárias a chegada do verão significava a aproximação da colheita dos alimentos plantados e, para proteger estas sementeiras da seca e das pragas ou doenças, realizavam-se festas em determinados dias do ano associados segundo a tradição religiosa católica com um determinado santo. Em Lisboa, para onde vieram viver pessoas e todas as regiões rurais do país celebram-se três santos diferentes: Santo António, São João e São Pedro nos dias, ou melhor dizendo nas noites de 12 para 13, de 23 para 24 e 29 para 30 de junho, respetivamente. Na segunda maior cidade do país, o Porto, celebra-se apenas o São João na noite de 23 de junho. E em outras cidades como Sintra e Évora as festas populares decorrem a 29 de junho, no dia de São Pedro.

Outras tradições associadas com estas festas são as marchas de Lisboa que começaram por imitar uma tradição francesa — as marchas "au flambeaux" ou à luz das tochas ou archotes — em que um pequeno grupo de pessoas desfilava ao som da música. Em Portugal, estas marchas eram protagonizadas por grupos de moradores dos bairros mais pobres de Lisboa que desfilavam segurando lanternas de papel nas mãos e cantado canções. Cada bairro tentava que a sua canção fosse a melhor do ano e foi assim que começou a tradição de fazer uma competição que inclui um desfile coreografado ao som da música que os participantes cantam. Outras tradições associadas com os Santos Populares para além das marchas e dos arraiais, são as noivas de Santo António de que já falamos num episódio anterior, os manjericos e os alhos porros. Os manjericos são pequenos vasinhos de uma planta de cheiro ou aromática cuja fragrância se sente sobretudo quando esfregamos a mão nas folhas da planta. Neste vasinho adiciona-se um pequeno quadradinho de papel com uma quadra popular ou verso de quatro linhas que pretende ser jocoso ou divertido com o objetivo de provocar a quem as lê um sorriso. Muitas das quadras eram pensadas como declarações de amor de um homem para uma mulher como estas duas quadras escritas por Fernando Pessoa:

Ó pastorinha, ó pastorinha
Que tens ovelhas e riso,

Teu riso ecoa no vale

E nada mais é preciso.

Dias são dias, e noites
São noites e não dormi...

Os dias a não te ver

As noites pensando em ti.

Nos festejos do São João, no Porto, existia a tradição de se usar um alho-porro para bater na cabeça das outras pessoas que estivessem a participar na festa e dessa forma brincar ou pregar uma partida a essa pessoa. Hoje em dia o alho-porro foi substituído por um martelo de plástico que ao bater faz barulho com o mesmo objetivo. Na noite de São João nesta cidade. também se lançam junto ao rio balões de ar quente coloridos.

Este episódio já vai longo e ainda não falamos de nenhuma expressão ou provérbio. Já usámos a frase feita pregar uma partida a alguém que significa ludibriar não no sentido de enganar para prejudicar alguém, mas antes na aceção de fazer troça de alguém ou gozar com alguém como quando um grupo de amigos faz ou diz alguma coisa com o objetivo de ridicularizar uma pessoa ou fazer com que se rirem dela.

A lista de provérbios associada aos santos populares é, como seria de esperar, infindável e por isso decidimos escolher o ditado: santos da casa não fazem milagres que pretende sublinhar o facto de frequentemente os nossos familiares ou amigos ou até os responsáveis de uma determinada situação podem não ter o poder ou a possibilidade de nos ajudar quando lhes pedimos auxílio. Este provérbio também é usado para explicar que, muitas vezes, não reconhecemos o valor das pessoas que nos estão mais próximas. Terminamos com os seguintes exemplos de uso:

— Porque há músicos portugueses mais conhecidos no estrangeiro do que em Portugal?
Porque santos da casa não fazem milagres e é frequentemente mais fácil o trabalho de alguém ser primeiro reconhecido lá fora antes dos tugas valorizarem esse artista.

— A minha mãe disse-me para tomar uma aspirina, mas apenas quando falei com o médico e ele me disse o mesmo, é que eu me convenci que aquele era o tratamento correto.
— É normal... Santos da casa nunca fazem milagres.

— Pedi ao meu padrinho para me arranjar um emprego no banco onde ele trabalha, mas ele não me conseguiu nada....
— Santos de casa nem sempre conseguem fazer milagres
.

— A secretária do diretor era também uma excelente contabilista, contudo ele decidiu contratar uma empresa de contabilidade que acabou por fazer um péssimo trabalho em vez de a promover.
— Em Portugal, é normal pensar-se que santos da casa não fazem milagres.

A partir deste episódio vamos assinalar algumas palavras "difíceis" cujo significado explicaremos no final para que a audição de cada episódio se torne mais fácil e contribua para alargar os vossos conhecimentos lexicais. Sugerimos que nos enviem uma mensagem com exemplos de frases usando estas ou outras palavras do texto do episódio para desse modo verificar se compreenderam o seu significado e o modo de uso.

VOCABULÁRIO

  1. coreografado: da família do verbo coreografar regular que significa criar uma sequência de movimentos ou dança para acompanhar o ritmo de uma música;
  2. infindável: o mesmo que infinito, que não tem fim, que não acabará nunca;
  3. jocoso: o mesmo que divertido, engraçado, que provoca risos e gargalhadas;
  4. ludibriar: o mesmo que mentir, enganar, atraiçoar ou defraudar, mas também rir ou troçar de alguém ou alguma coisa, gozar com alguém ou de alguma coisa ou ridicularizar alguém;
  5. martelo: instrumento com um cabo e uma cabeça pesada cuja principal utilidade é pregar um prego.

Faça Login para descarregar os ficheiros.